University of Alabama at Birmingham anuncia primeiro transplante clínico de rins de porco geneticamente modificado em humanos com morte cerebral

Birmingham/Alabama 21/1/2022 –

DESTAQUES DA NOTÍCIA
Pesquisadores da University of Alabama at Birmingham (UAB) são os primeiros do mundo a realizar transplante de rim de porco em humanos:

  • Primeiro estudo revisado por pares/publicado de um rim de porco geneticamente modificado transplantado em um corpo de um receptor humano com morte cerebral
  • Primeiro estudo de um transplante de rim de porco em humano usando rins geneticamente modificados com 10 edições de genes principais que podem tornar os rins adequados para uso clínico terapêutico direto em humanos
  • Primeira validação de um teste de compatibilidade antes do xenotransplante desenvolvido pela UAB
  • Primeiro estudo revisado por pares/publicado para estabelecer a morte cerebral como um modelo humano pré-clínico viável

A destacar, o estudo foi projetado e conduzido para atender os padrões diretamente comparáveis aos que se aplicariam a um ensaio clínico de Fase I e espelhou — tanto quanto possível — cada etapa de um transplante convencional entre humanos. É importante ressaltar que este estudo incluiu a remoção dos rins nativos do receptor humano com morte cerebral antes de substituí-los por rins de porco geneticamente modificados.

UAB anuncia primeiro transplante clínico de rins de porco geneticamente modificados em humanos com morte cerebral

BIRMINGHAM, Alabama, Jan. 21, 2022 (GLOBE NEWSWIRE) — A University of Alabama at Birmingham Marnix E. Heersink School of Medicine anunciou hoje a primeira pesquisa revisada por pares que descreve o transplante clínico bem-sucedido de rins de porco geneticamente modificados em um humano com morte cerebral, substituindo os rins nativos do receptor. Esses resultados positivos demonstram como o xenotransplante pode resolver a crise mundial de escassez de órgãos.

No estudo publicado no American Journal of Transplantation, pesquisadores da UAB testaram o primeiro modelo pré-clínico humano para transplante de rins de suínos geneticamente modificados em humanos. O receptor do estudo recebeu dois rins de porco geneticamente modificados transplantados no seu abdômen após a remoção dos rins nativos. Os órgãos foram obtidos de um porco geneticamente modificado em uma instalação livre de patógenos.

“Juntamente com nossos parceiros, temos feito investimentos significativos em xenotransplante durante quase uma década na esperança de obter os tipos de resultados publicados hoje”, disse Selwyn Vickers, M.D., reitor da UAB Heersink School of Medicine e CEO da UAB Health System e da UAB/Ascension St. Vincent ‘s Alliance. “Os resultados de hoje representam uma conquista extraordinária para a humanidade e o avanço do xenotransplante na área clínica. Com este estudo, nossas equipes de pesquisa demonstraram que o modelo do falecido também tem potencial significativo para impulsionar o campo de xenotransplante.”

Pela primeira vez, os rins de suínos transplantados foram retirados de suínos geneticamente modificados com 10 edições de genes principais que podem tornar os rins adequados para transplante em seres humanos. Esse processo demonstra a viabilidade do procedimento a longo prazo e como esse transplante pode funcionar no mundo real. Os rins transplantados filtraram o sangue, produziram urina e, o mais importante, não foram rejeitados de imediato. Os rins permaneceram viáveis até o término do estudo, 77 horas após o transplante.

“Este momento de mudança na história da medicina representa uma mudança de paradigma e um marco importante no campo do xenotransplante, que é sem dúvida a melhor solução para a crise de escassez de órgãos”, disse Jayme Locke, M.D., diretor do Comprehensive Transplant Institute do UAB’s Department of Surgery e cirurgião-chefe do estudo. “Nós colmatamos lacunas de conhecimento crítico e obtivemos os dados de segurança e viabilidade necessários para dar início a um ensaio clínico em seres humanos vivos com insuficiência renal em estágio terminal.”

A edição de genes em porcos para reduzir a rejeição imunológica tornou possível o transplante de órgãos de porcos em humanos, com a possibilidade de oferecer ajuda a milhares de pessoas que enfrentam falência, doença ou lesão de órgãos. A vida útil natural de um porco é de 30 anos, sua criação é muito fácil e eles podem ter órgãos de tamanho semelhante aos dos humanos. 

Os rins de suínos geneticamente modificados foram extensivamente testados em primatas não humanos. Além dos testes em primatas não humanos, a avaliação dos rins de suínos geneticamente modificados em uma pesquisa de modelo pré-clínico humano pode fornecer informações importantes sobre a segurança e a eficácia potencial dos rins em receptores de transplante humano, inclusive em ensaios clínicos.

“Este modelo pré-clínico humano é uma forma de avaliar a segurança e a viabilidade do modelo de porco para primatas não humanos, sem risco para um ser humano vivo”, acrescentou Locke. “Nosso estudo demonstra que as principais barreiras ao xenotransplante humano foram superadas, identifica onde novos conhecimentos são necessários para otimizar os resultados do xenotransplante em humanos, e estabelece as bases para o estabelecimento de um novo modelo humano pré-clínico para estudos adicionais.”

Esse trabalho é apoiado pela pioneira em biotecnologia, a United Therapeutics Corporation, que concedeu uma verbaàUAB para o lançamento do inovador programa de xenotransplante. A Revivicor, Inc., uma subsidiária da United Therapeutics, forneceu o porco geneticamente modificado que foi a fonte dos rins de xenotransplante investigacional chamado UKidney™.

“Todos nós da Revivicor estamos admirados com as conquistas históricas da UAB com o nosso rim para xenotransplante investigacional de 10 genes, ou UKidney”, disse David Ayares, Ph.D., Diretor Científico da Revivicor e um engenheiro genético pioneiro desde seu primeiro trabalho de clonagem do mundo de porcos e dos primeiros porcos geneticamente modificados alfa-Gal. “Estamos confiantes de que este UKidney pode vir a ser uma solução para salvar as vidas para milhares de pessoas em diálise, depois da conclusão bem-sucedida dos nossos ensaios clínicos eàobtenção da aprovação da FDA nos próximos anos.”

Sobre o estudo
A pesquisa revisada por pares é um estudo de escopo ambicioso e grande significado, dado que mais de 800.000 americanos estão vivendo com insuficiência renal. A maioria nunca chegaàlista de espera, e muito poucos órgãos humanos estão disponíveis para reduzir esse número. Embora a diálise possa sustentar a vida por algum tempo, o transplante oferece uma melhor qualidade de vida e uma vida mais longa para os poucos indivíduos que podem ter acesso ao transplante. Cada estágio deste estudo de xenotransplante de falecido aproximou as etapas que podem ser seguidas em um ensaio clínico de xenotransplante de Fase I:

  • Os rins foram removidos de um porco doador alojado em uma instalação livre de patógenos e cirurgicamente limpa. Os rins foram então armazenados, transportados e processados para implantação, da mesma forma como os rins humanos são tratados.
  • Antes da cirurgia, o receptor com morte cerebral e o animal doador foram submetidos a um teste de compatibilidade cruzada para determinar se o rim do porco geneticamente modificado e seu receptor tinham compatibilidade de tecidos. Uma comparação cruzada é feita para cada transplante de rim humano para humano; no entanto, este teste de correspondência de tecido de porco para humano foi desenvolvido na UAB, onde pela primeira vez uma comparação cruzada prospectiva foi validada entre as duas espécies.
  • Os rins de suínos foram colocados nos locais anatômicos exatos usados para os rins de doadores humanos, com os mesmos anexosàartéria renal, veia renal e ureter que transporta a urina do rim para a bexiga.
  • O receptor com morte cerebral recebeu a terapia imunossupressora padrão usada no alotransplante renal humano.

O estudo foi conduzido para atender aos padrões diretamente comparáveis aos que se aplicariam a um ensaio clínico humano de Fase I, espelhando cada etapa de um transplante padrão entre humanos. O estudo incluiu a aprovação do Review Board and Institutional Animal Care and Use Committee, uma confirmação de compatibilidade de tecidos antes do início das operações, usando os procedimentos padrão de transplantes de humanos para humanos para remoção, preservação, transporte e transplante de rins em um humano, e com terapia de imunossupressão padrão no receptor.

Receptor de transplante Jim Parsons ajuda a abrir portas para o futuro do transplante de órgãos
Este avanço científico e médico não teria sido possível sem Jim Parsons, o receptor, ou sua família.

Parsons, de 57 anos, era um doador de órgãos registrado no Legacy of Hope, organização de coleta de órgãos do Alabama, que esperava que seus órgãos ajudassem outras pessoas após sua morte; mas seus órgãos não eram adequados para doação. Sua família permitiu que a UAB mantivesse Parsons em um ventilador para manter seu corpo funcionando durante o estudo. Seus rins nativos foram removidos e dois rins de porco geneticamente modificados foram transplantados.

“O Sr. Parsons e sua família nos permitiram replicar precisamente como faríamos esse transplante em um ser humano vivo. Sua enorme contribuição salvará milhares de vidas, e isso pode começar em um futuro muito próximo”, disse Locke. “A doação do Sr. Parsons honra seu legado e estabelece firmemente a viabilidade, a segurança e a viabilidade deste modelo pré-clínico. Por causa da sua doação, propusemos que isso fosse conhecido como ‘O Modelo de Parsons’”.

A ex-mulher de Parsons, Julie O’Hara, e seus filhos, Ally, David e Cole, tomaram a decisão (juntamente com as irmãs e a mãe de Jim) de participar do estudo depois que foram abordados por Alan Spriggs do Legacy of Hope e Locke.

“Jim era um tipo de cara que falava com todo o mundo e não tinha inimigos — nenhum”, disse O’Hara. “Jim teria querido salvar o maior número de pessoas que pudesse com sua morte, e se ele soubesse que poderia potencialmente salvar milhares e milhares de pessoas fazendo isso, ele não teria hesitado. Nosso sonho é que nenhuma outra pessoa morra esperando por um rim, e sabemos que Jim está muito orgulhoso de que sua morte possa potencialmente trazer tanta esperança para outras pessoas.”

A necessidade crítica de outras opções de doação de órgãos
A doença renal mata mais pessoas a cada ano do que o câncer de mama ou próstata, de acordo com o National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. Embora o transplante seja o tratamento padrão de ouro para a doença renal terminal, menos de 25.000 transplantes renais são realizados a cada ano nos Estados Unidos, com 240 americanos em diálise morrendo todos os dias. Muitas dessas mortes poderiam ser evitadas se houvesse um fornecimento ilimitado de rins para transplante.

A espera por um rim de doador falecido pode chegar a cinco anos e, em muitos estados, quase 10 anos. Quase 5.000 pessoas morrem por ano esperando por um transplante de rim.

Sobre o transplante e a equipe de xenotransplante da UAB
A UAB Medicine é líder mundial em transplante de órgãos com 9.055 transplantes de rim realizados entre 1º de janeiro de 1988 e 31 de dezembro de 2021 — o segundo maior número de transplantes de rim realizados nos Estados Unidos durante esse período. O foco do programa de xenotransplante da UAB é abordar a escassez de órgãos com o transplante seguro de rins de suínos geneticamente modificados em humanos com insuficiência renal. Saiba mais.

Sobre a UAB
Conhecida por sua abordagem inovadora e interdisciplinar da educação nos níveis de pós-graduação e graduação, a University of Alabama at Birmingham, parte da University of Alabama System, é uma universidade de pesquisa e centro médico acadêmico de renome internacional. A UAB concede consistentemente mais de US$ 600 milhões em prêmios anuais para pesquisas, alcançando um total de quase US$ 850 milhões no ano passado, incluindo financiamento único relacionadoàCOVID. A UAB é o maior empregador individual do Alabama, com mais de 26.000 funcionários, e foi nomeada a Melhor Grande Empregadora da América pela Forbes em 2021. O impacto econômico anual da instituição no estado ultrapassa US$ 7 bilhões a cada ano. Os pilares da missão da UAB incluem educação, pesquisa, inovação e desenvolvimento econômico, engajamento da comunidade e atendimento ao paciente. Saiba mais em www.uab.edu.

NOTA DO EDITOR: A University of Alabama at Birmingham é uma das três universidades de pesquisa de doutorado da University of Alabama System. Na sua primeira referênciaànossa instituição, use University of Alabama System e UAB em referências subsequentes.

FACEBOOK: www.facebook.com/UAB.edu TEXTO:www.uab.edu/news
TWEETS: www.twitter.com/uabnewsVÍDEO: www.youtube.com/uabnews

Contato com a Mídia:
Tyler Greer, 205-934-2041
Nicolas Kressmann, 732-532-5318

Foto deste comunicado disponível em: //www.globenewswire.com/NewsRoom/AttachmentNg/33d4e6ff-7c94-45e9-b4b2-54b02013eabc

Vídeo deste comunicado disponível em: //www.globenewswire.com/NewsRoom/AttachmentNg/90656f74-a325-479f-9177-9d9538f11799


Primary Logo

*Imagens do texto: Reprodução da Internet*

Encontrou algum erro, tem uma sugestão ou quer falar com nossa equipe? Entre em contato por e-mail: [email protected]

Aproveite os menores preços da internet: