Festival de poesia para enfrentar a pandemia dará prêmio em dinheiro - Virou Pauta

Festival de poesia para enfrentar a pandemia dará prêmio em dinheiro

Festival de poesia para enfrentar a pandemia dará prêmio em dinheiro
COMPARTILHE ESSA PAUTA!

O Projeto do Polo Cultural, traz um concurso de poesia que dará prêmio em dinheiro. O tema estimula reflexão em tempos de pandemia em três categorias – para poetas, iniciantes e estudantes.

A expectativa é ter 300 inscritos, pelo menos. Inscrições até 14 de maio. A primeira curadoria vai selecionar 30 trabalhos em vídeo e será feita por coletivos como o Slam das Minas-SP. Depois a votação é do internauta.

Neste momento particular da história, que pede um isolamento social sem precedentes, um projeto de poesia propõe uma reflexão sobre o futuro desejado nesta época de pandemia. Com inscrições para pessoas de todo o Estado de São Paulo até dia 14 de maio, o concurso Tâmaras – Poemas para depois do amanhã será realizado de forma virtual e dividido em três categorias, sendo aberto a todas as idades, com premiação em dinheiro para três primeiros lugares de cada uma das categorias.

O concurso abrange três categorias, destinadas, respectivamente, a novos autores que nunca tiveram textos publicados em livros, (Semear),alunos do ensino público (Cultivar) e poetas independentes ou sem vínculo com editoras (Colher). Para participar, é obrigatório o envio de um vídeo com a gravação da obra composta. A obra deverá ser inédita e ter no máximo três minutos de duração, apenas de fala.

Seleção e tema

Um comissão formada por cinco coletivos de poetas – Slam 13, Slam das Minas – SP, Sarau do Binho, Poetas Ambulantes, Mesquiteiros – Um Por Todos, Todos Por Um – será responsável pela primeira etapa da seleção e vai escolher 30 obras finalistas, 10 em cada categoria, que irão para o Youtube e serão submetidos, numa segunda fase, ao voto popular do internauta.

O tema do concurso tem inspiração em um ditado árabe antigo: “Quem planta Tâmaras, não colhe Tâmaras”. Isso porque em seu processo natural, sem as técnicas de cultivo avançada, as tamareiras levavam de 80 a 100 anos para frutificar, ou seja, seu plantio era como um exercício de solidariedade, de doação ao próximo, pois se cultivava independente de quem viesse a colher o fruto.

“Propomos aos poetas essa importante e urgente construção, dos Poemas para depois do amanhã, onde possamos sonhar o mundo que iremos encontrar no futuro, e os desafios dessa nova relação com o planeta que cada um precisará descobrir e estabelecer. Voltar a circular pelos dias com os passos certos, com o amor e a coragem que o tempo pedirá”, provoca Marcelo Sollero, da Pólo Cultural, Educação e Arte, realizadora do evento.

O concurso propõe o semeio das palavras como forma de enfrentar essa pandemia: se ainda não há cura ao vírus, que a arte viralize afeto e sonhos para os dias que virão. Convidamos os amantes das palavras para esse desafio, que surge não só como uma ferramenta de aproximação das pessoas, por meio da troca de experiência nos versos a serem escritos, mas também como um remédio para injetar empatia e esperança no inconsciente coletivo”.

Concurso cultural: Poemas para Depois do Amanhã
















Não copie, compartilhe! VirouPauta.com